Incêndio causado por manifestantes atinge estação de trem

PARIS INCENDIO MANIFESTACAO CONTRA INCENDIO

Na última sexta-feira de fevereiro (28), um incêndio causado por manifestantes atingiu a Gare de Lyon, uma das principais estações de trem de Paris – e do mundo. A polícia precisou esvaziar o local e as proximidades do entorno.

De acordo com autoridades locais, o acidente aconteceu logo após manifestantes iniciarem protestos contra o cantor congolês Fally Ipupa em Paris. O artista faria uma apresentação em um ginásio nas proximidades do terminal.

O cantor é criticado por manter relações próximas com o governo da República Democrática do Congo, que, segundo manifestantes, lidera o país com autoritarismo.

Como começou incêndio causado por manifestantes?

Incêndio causado por manifestantes atingiu a Gare de Lyon, uma das principais estações de trem de Paris.
Foto: Reprodução/Twitter/RER_A

Há alguns meses a França vive uma verdadeira tensão em meio às mais diversas manifestações que ocorrem no país, especialmente em Paris. Visando evitar problemas, a Prefeitura já havia proibido protestos na região que compreende a sala de concertos de Bercy, onde aconteceria a apresentação.

No entanto, o pedido não foi ouvido. Isso porque, como forma de protesto, para impedir a apresentação, os opositores iniciaram uma série de ataques próximos ao local. Assim, houve confronto entre manifestantes e policiais, que ocasionou embates e incêndios em lixeiras, que logo tomaria proporções ainda maiores. 

O grupo ateou fogo, ainda, em patinetes e motos, fazendo com que as chamas se alastrassem rapidamente para outros veículos, incluindo carros e bicicletas. 

Por serem automóveis movidos a gasolina e álcool, altamente inflamáveis, o pequeno foco de incêndio se transformou em cortinas de fogo, fazendo com que houvesse correria e atropelamentos. Também não demorou muito para a estação de trem ser atingida e esvaziada.

Combate a incêndio em estação de trem foi rápido e eficaz

De acordo com a polícia local, os bombeiros foram imediatamente acionados para combater as longas cortinas de fumaça preta que podiam ser vistas de grande parte da capital francesa. Ainda assim, um grupo tentou impedir que eles chegassem ao local do incêndio. 

O trabalho exigia atenção e agilidade para que o fogo não destruísse uma das maiores estações de trem da cidade e no mundo. Além da perda de uma estrutura tão histórica, o medo era de que se as chamas chegassem aos trens, uma grande tragédia acontecesse. 

Afinal, uma estação de trem funciona 100% movida à energia elétrica e combustíveis, sendo um verdadeiro campo minado em caso de incêndio.

Assim, a ação rápida do Corpo de Bombeiros e das autoridades permitiu que o fogo fosse controlado e extinto de forma segura. Não há relatos de feridos pelo fogo – apenas pela manifestação em si. 

Cabe lembrar que grande parte das corporações da Europa tem sido treinadas para combate ataques terroristas, que, geralmente, estão ligados à bombardeios e incêndios de grandes proporções. Tal treinamento permitiu uma ação ainda mais eficaz.

Paris vive caos em meio à manifestações

Os protestos contra o cantor congolês não foram os únicos a marcarem a semana em Paris. No mesmo dia, logo após o incêndio, algumas centenas de manifestantes protestaram na noite contra as doze indicações do filme “J’accuse”, de Roman Polanski, alvo de uma nova acusação de estupro.

A manifestação ocorreu pouco antes de uma cerimônia do César, considerado o “Oscar francês”. Os participantes gritavam e agrediam policiais em um cenário que, nos últimos meses, tem se tornado comum na França.

Agora, o sentimento na cidade luz, que outrora era considerada uma das mais seguras e bonitas do mundo, é de medo.

WhatsApp chat